“A história sem fim” um clássico inesquecível cheio de magia e mistérios

Atenção, esse artigo contém pequenos spoirles sobre o filme.

Vou começar este post afirmando que não vi todos os filmes que gostaria, muito menos aqueles que eu ainda nem ouvi falar, é obvio. Faço este argumento para me aprofundar no discurso de aos que eu já vi, poucos são tão fabulosos e deslumbrantes em seu enredo como “A história sem fim“.

Este filme é um clássico adaptado para o cinema com base no romance “A história sem fim” de Michael Ende, foi lançado no Brasil em 1984 e tem direção de Wolfgang Petersen (Troia, Mar em Fúria, O Homem Bicentenário entre outros), conta a história de Bastian (Barret Oliver) um garoto que está em uma fase bem ruim por conta da perda da mãe, ele encontra um livro que fala sobre uma terra chamada Fantasia, um lugar onde a escuridão destrói tudo e dependerá de um humano para salvá-la, e a salvação virá do quanto Bastian acredita na história do livro durante a leitura e quando ele passa a desacreditar dela, o bem perde a força e a escuridão ganha força destruindo Fantasia. Mesmo que você não tenha visto o filme ainda, é m uito provável que você já tenha visto a imagem abaixo em algum momento onde Bastian voa nas costas de um dragão branco chamado Falkor que é um Dragão da Sorte.

Falkor

Um filme de fantasia magnifico com roteiro sensacional e personagens incríveis, assim como o meu favorito “Labirinto“, filme que também é baseado na leitura de um livro onde Sarah acaba se envolvendo tanto com a história que acaba sendo transportada para ela após desejar que os duendes levem seu irmão Toby para o rei Jareth interpretado pelo camaleão David Bowie. Labirinto (Labyrinth) foi lançado no Brasil 2 anos depois de “A história sem fim”. Ambos são simplesmente espetaculares.

“A história sem fim” é aquele tipo de filme envolvente, enquanto Bastian e se envolve na história, ficamos vidrados em cada cena e vivenciando cada emoção vivida pelo personagem Atreyu (Noah Hathaway) o herói escolhido para tentar conter o mal. Cada “capitulo” do livro que é transformado em cenas incríveis do filme trás um novo desafio que cria em nós sensações de medo, quando o vilão é apresentado, mesmo de forma subjetiva, o “Nada” é simplesmente aterrorizante, aventura e felicidade durante os voos com o dragão Falkor, torcida e ansiedade quando ele precisa cruzar as duas esfinges do Oráculo do Sul onde só consegue passar por elas quem tem muita fé em si mesmo, caso contrário elas abrem o olho e soltam um raio que destrói quem tenta passar por elas, e uma das emoções que deixou uma geração “deprimida”, a morte do cavalo Artax, que se deixou envolver pela tristeza durante a travessia do Pântano da Tristeza, um momento imensamente triste e marcante do filme.

Antrax

O filme está rodeado de mistérios e curiosidades que passam pelas superações traumáticas de Bastian que precisa enfrentar a dor da perda da mãe, além da superação e desejo de vingança do “bullying” que sofre todos os dias de garotos que não vão com a cara dele. A história caracteriza ainda o poder da literatura em nossas imaginações e de forma lúdica enfatiza a força e a influência que ela pode ter em nossas vidas.

A música tema original do filme é um espetáculo a parte e é uma das músicas que está presente em minha playlist das músicas mais bem produzidas de todos os tempos. “The NeverEnding Story” foi interpretada pelo cantor Limahl, tem co-produção de Keith Forsey e foi produzida exclusivamente para o filme de forma deslumbrante.

Alcance as estrelas
Voe uma fantasia
Sonhe um sonho
E o que você vê existirá

Trecho da música

A produção da trilha sonora foi produzida por Giorgio Moroder e Klaus Doldinger e conta com 15 faixas que são executadas ao logo do filme para compor cada cena e trazer estas emoções citadas acima.

album

Confira essa música clássica na voz do cantor Limahl, uma música linda, com arranjos espetaculares, envolventes com uma letra super legal e que motiva o sonho e o envolvimento com a magia. Simplesmente perfeita e uma produção que completa o filme, é impossível imaginar o filme sem esta música e vice versa.

 

O filme teve duas sequências, “A História Sem Fim 2 e 3”, mas é aquele tipo de produção que eu diria que “não tinha necessidade de ter feito”, o primeiro foi tão bem feito que tentaram dar continuidade mas só fizeram “cáca” ao começar pela troca do ator, na parte 2 o personagem Bastian é interpretador pelo ator Jonathan Brandis e no 3 pelo ator Jason James Richter, nada contra eles, mas não é a mesma coisa quando se trata de um clássico tão especial e bem feito, você não acha? A parte 2 foi lançada em 1990 e a 3 em 1994.

Cleber Almeida
Siga

Cleber Almeida

Formado em publicidade, produção audiovisual e locução, Cleber Almeida é apaixonado por música, filmes e fotografia. É o fundador do site eVÍDEOCLIPE, da produtora NaMosca Produções e também e fundador da Rádio Social Plus Brasil.
Cleber Almeida
Siga

Cleber Almeida

Formado em publicidade, produção audiovisual e locução, Cleber Almeida é apaixonado por música, filmes e fotografia. É o fundador do site eVÍDEOCLIPE, da produtora NaMosca Produções e também e fundador da Rádio Social Plus Brasil.

Discuta no Site

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM